JOAQUIM NABUCO | Ser Educacional
19 Dezembro
Vaga
Oportunidade de estágio em pedagogia
Por Taísa Silveira

Por: Simone Patrícia

Os alunos de Pedagogia podem conferir a oportunidade de estágio disponível no Instituto Mãe Rainha. É oferecida uma vaga para atuação nos turnos da manhã ou tarde, e o estudante será contratado para trabalhar com crianças do ensino infantil. É necessário ter comprometimento e saber trabalhar em equipe. A bolsa oferecida é de R$ 400, além do auxílio transporte. Confira a imagem abaixo para maiores informações:

16 Dezembro
Nutrição
Saiba como a sua alimentação influencia no seu desempenho acadêmico
Por Taísa Silveira

Matéria escrita por: Caroline Melo
 
Aulas, trabalhos, exercícios, provas e mais provas... e às vezes vem tudo isso ao mesmo tempo. Não é fácil se manter ativo o tempo todo, muito menos acompanhar sem vacilar no meio da agitação que é um curso regular. Para se dar bem nessa correria, uma ajudinha nunca é demais, certo? Antes de se jogar de cabeça nos estudos, a primeira dica é cuidar da sua alimentação. 
“De forma geral, sem excluir nenhum nutriente, é essencial que o aluno tenha uma alimentação regrada”, já avisa nutricionista Hayanna Arruda. A profissional conversou com a nossa equipe e deu dicas de como se manter na melhor forma para encarar os estudos de frente – e sem empurrar com a barriga. 
 
Pense na regulação
 
O primeiro passo para equilibrar o bom funcionamento do corpo e da mente é uma alimentação rica e cheia de nutrientes e nos horários certos. Tentar manter a disciplina na hora de comer é importante. “Fazer em torno de seis refeições é importante para não deixar o organismo com deficiências de nutrientes essenciais”, explica Hayanna. Tomar café da manhã, lanchar, almoçar, lanchar novamente, jantar e cear diariamente, com refeições moderadas, garante a nutrição – sem o sono pós-almoço. É bom planejar pratos ricos em vitaminas, que são essenciais para o organismo, e pouca gordura.
 
Ajude seu cérebro
 
Alguns alimentos são comprovadamente auxiliares do cérebro, preservando de maneira significativa as funções cognitivas. Para a memória, Hayanna indica como grandes aliados os peixes: “O que a gente sempre fala é que se deve consumir alimentos ricos em ômega 3, como sardinha, salmão, arenque, cavala. Peixes de água gelada em geral”. Alguns outros peixes ainda podem ser incluídos na lista, como a truta, atum e bacalhau. 
 
Obtenha energia e monte sua estratégia
 
O cérebro (como o resto do seu corpo) precisa de energia para continuar a funcionar. Os carboidratos são a maior fonte que se pode desejar, pois se transformam em glicose dentro do organismo. Eles estão em frutas, cereais, verduras, pães e massas e vêm de duas formas: os carboidratos simples, com alto índice glicêmico, e os complexos, de baixo índice glicêmico. 
 
Os simples são absorvidos rapidamente pelo nosso organismo, elevando a taxa de glicose e dando energia rapidamente. Essa energia deve ser queimada rapidamente ou se acumula no corpo em forma de gordura. Eles estão no mel, em biscoitos, arroz branco, bolos, doces, no macarrão, no refrigerante. 
 
Os complexos são absorvidos mais lentamente pelo organismo, com a energia sendo liberada aos poucos. Geralmente são mais ricos em vitaminas e fibras e nos mantêm saciados por mais tempo, sem esbarrar no problema da fome, que desconcentra na hora de estudar. Para conseguir energia a longo prazo, aposte nas sementes e cereais, em arroz, macarrão e pão integrais, em algumas frutas como a maçã, na batata doce, na soja, no trigo e na mandioca. 
 
Para os casos sérios de pressão durante as provas e os estudos, a dica é usar a estratégia: se alimente bem antes de colocar a mão na massa, aposte em carboidratos complexos – que promovem saciedade por mais tempo e são uma fonte mais duradoura de energia – e reserve os doces e outras fontes de carboidratos simples para a hora da necessidade. “Na hora da prova do vestibular, por exemplo, os alunos passam muito tempo ali. Para ativar a glicose para o cérebro, precisa de um doce, um biscoito, para ajudar”, a nutricionista dá a dica. 
 
Resista à tentação
 
Sim, é difícil dizer não aos lanchinhos rápidos e muitas vezes gordurosos. Os salgadinhos, as coxinhas e pasteis, os sanduíches pesados, refrigerantes, chocolates, biscoitos e doces em geral são a escolha preferida de quem está na correria, mas é preciso ser forte para ter energia. Hayanna já conta: “A prática do adolescente é completamente oposta ao recomendado, está sempre comendo as ‘besteiras’: salgadinhos, biscoitos. Mas é preciso reduzir ao máximo as gorduras saturadas, evitar os alimentos com muita gordura e preferir as poli-insaturadas”. 
 
Traduzindo a questão: as gorduras saturadas são vilãs. Elas vêm de alimentos industrializados e de origem animal e seu poder especial é de acelerar a perda da memória por processo inflamatório. Estão principalmente em carnes vermelhas, peles de aves, creme de leite, manteiga, bacon. A ingestão tende a aumentar o mau colesterol e provocar obesidade e diabetes, além de acelerar o envelhecimento. 
 
As gorduras “boas”, por sua vez, têm origem vegetal e se chamam poli-insaturadas. As poli, mencionadas pela professora de nutrição, estão presentes no azeite de oliva, na castanha do pará, amêndoas, salmão, atum, sardinha, frutos do mar, sementes de linhaça e abóbora, abacate e nozes.
 
Além de ter atenção com a gordura na alimentação, tenha cuidado também com o consumo excessivo de álcool pode provoca um déficit temporário de memória, atenção e aprendizado – e matar neurônios, além de prejudicar a formação de novas células cerebrais. 

16 Dezembro
Código de vestimenta
Dress code: você sabe como se vestir no trabalho?
Por Taísa Silveira

Matéria escrita por: Camilla de Assis
 
Colocar uma roupa para ir trabalhar vai muito além de apenas vestir-se. O traje é um dos cartões de visita do profissional, e demonstra seu alinhamento com a cultura organizacional da empresa.
 
Traduzido de maneira literal, dress code é o código de vestimenta. Nas empresas, é muito importante que o profissional saiba se adaptar e seguir os “comportamentos de vestimenta” que as corporações possuem, mesmo que esse código fique no campo do subentendimento. Uma pesquisa realizada pela empresa de recursos humanos OfficeTeam, revelou que 18% dos líderes de corporações entrevistados afirmaram que seus empregados se vestiam muito mais informalmente do que há cinco anos. 
 
E qual é o critério para saber se vestir dentro do ambiente de trabalho? Segundo a professora de comunicação social Suelen Franco, o limite é o bom senso, mas existem algumas dicas infalíveis. “O vestuário é como um jargão técnico de cada área, é um elemento para o código organizacional da empresa”, afirma a docente. 
 
O quesito vestimenta é tão importante, que revela a congruência entre a parte prática quanto estética das atividades exercidas diariamente, pelo profissional.E para você saber lidar com sua vestimenta da melhor maneira possível no ambiente de trabalho, a professora dá uma dica importante: “A princípio, quando os estudantes têm os primeiros contatos com o mercado de trabalho, é essencial ir da forma mais básica possível para não ter risco de errar. Posteriormente, é importante ser um bom observador para saber se moldar ao ambiente”, pontua Suelen Franco.
 
Portanto, para ajudar você a não errar na hora da escolha do look, Suelen Franco,deu algumas dicas de vestuário para os estudantes e profissionais de algumas áreas. Confira abaixo:
 
Saúde
Cores claras são importantes, já que lembram a higiene e a assepsia exigidas nas profissões dessa área. É necessário, também, que os profissionais usem sempre roupas confortáveis e limpas e que estejam em condições ideais para o manuseio do paciente ou da pessoa atendida. Sapatos sempre fechados, evitando sandálias de dedo, rasteirinhas e similares.
 
Exatas
Além do conforto, é preciso seguir as regras de seguranças, especialmente nas áreas de engenharia como o uso de capacetes, luvas, sapatos especiais como botas e equipamentos de proteção necessários.
 
Comunicação, audiovisual, moda e afins
Nessas áreas, a vestimenta é mais informal e também há a expectativa das pessoas que você tenha um estilo mais marcante. Entretanto, é preciso evitar exageros.
 
Jurídica
Nessa área, pela maneira formal de vestimenta, a recomendação é o uso de saltos scarpins, para as mulheres, saias mais longas e calças de tecido, sapatos fechados, blusas e camisas sociais e até mesmo ternos. Entretanto, é necessário se adaptar de acordo com o clima do local onde se mora.
 
O que nunca usar?
O ambiente de trabalho é um local de concentração e de relações profissionais. Portanto, nesse espaço não cabe a utilização de roupas muito justas, vestidos curtos, vestidos de festa ou de balada, shorts curtos, blusas decotadas, blusas regatas masculinas, acessórios muito carregados, cores fortes fora de sintonia.
 
Por outro lado, algumas empresas permitem o uso de bermudas. Entretanto, é preciso saber a área. “Em casos muito especiais, muito específicos, algumas empresas permitem que seus funcionários utilizem bermudas durante o expediente, principalmente nos ramos de comunicação e T.I.”, explica Suelen Franco.
 
Eaí, gostou de nossas dicas? Deixe seu comentário!

16 Dezembro
Dicas
Resenha: todas as dicas para um trabalho digno de nota 10
Por Taísa Silveira

Matéria escrita por: Paula Brasileiro
 
Para falar sobre um fato cultural, seja um livro, um filme, exposições ou peças teatrais deve-se fazer uma resenha. Este tipo de trabalho descreve e exprime a opinião do autor acerca do objeto analisado. Pode ser de três tipos: de obra, crítica e temática. Confira como fazer uma boa resenha e quais erros não podem ser cometidos na hora de produzir o texto. 
 
O professor Dimas José dos Santos pontua as principais características de uma boa resenha: "Este é um tipo de texto, na forma de síntese, que exprime a opinião do autor sobre algum fato cultural. Ele deve ir direto ao ponto, alternando entre momentos de pura descrição dos fatos e momentos de crítica sobre os mesmos". Segundo o docente, esta produção textual deve ser simples, clara e concisa, além de objetiva e impessoal. 
 
São três os tipos de resenha: a de obra tem caráter informativo, esclarece ao leitor as principais informações extraídas de um objeto cultural e é seguida da opinião do autor; a crítica traz ricas interpretações e conjecturas de quem a escreve sobre o objeto avaliado; já a temática aborda vários textos ao mesmo tempo com a finalidade de construir um paralelo entre as diversas ideias e colocar sua opinião sobre elas. 
 
Confira as dicas do professor Dimas para criar uma boa resenha e os erros que não podem ser cometidos. 
 
Antes de começar:
- Conhecer a obra: a princípio, uma leitura rápida para saber sobre o que será resenhado
- Releitura: em seguida, uma leitura mais profunda, com olhar crítico, anotando o que achar mais relevante
- Reflexão: após as leituras, refletir sobre a obra e anotar os argumentos que serão usados na resenha
 
Não pode faltar:
- Identificação: informar os dados bibliográficos da obra  
- Apresentação: situar o leitor sobre a temática principal
- Descrição: resumir o texto a ser resenhado, de três a cinco parágrafos. “Esses valores não       são fixos, apenas os mais usuais”, orienta Dimas. 
- Analisar de forma crítica: expor a opinião a respeito do objeto
- Recomendar: identificar o tipo de leitor para a obra
- Identificação do autor: falar brevemente sobre a vida e outras obras
- Assinatura e identificação do autor: informações para o último parágrafo
 
É errado:
- Abandonar o cunho científico
- Expressões como "eu acho", "eu acredito"
- Opiniões ofensivas ou depreciativas ao texto resenhado
- Margem para interpretações errôneas por parte do leitor 

13 Dezembro
Empregabilidade
Quais habilidades da inteligência emocional que chamam mais a atenção dos empregadores?
Por Taísa Silveira

A capacidade de desenvolver a inteligência emocional tem sido de grande importância no mercado de trabalho, desde os primeiros estudos publicados sobre o tema pelo psicólogo PhD. Daniel Goleman, em 1995, em sua obra intitulada Inteligência Emocional. 

É bem verdade que tanto a habilidade técnica quanto a comportamental são importantes para o sucesso na carreira de qualquer profissional, e cada vez mais o mercado de trabalho global vem exigindo mais dos candidatos a vagas de empregos.  

Há pouco tempo, ser um especialista de qualquer área técnica garantia ao profissional um lugar no competitivo mercado de trabalho. Hoje isso não é mais suficiente, sendo exigidas outras competências, dentre elas a capacidade de relacionar-se bem no ambiente de trabalho e acadêmico. 

O alto desempenho na vida acadêmica é de extrema importância, mas, no mercado atual, os melhores empregadores estão em busca de um plus: querem profissionais graduados e com habilidades interpessoais bem desenvolvidas. Nas grandes organizações estão acrescentando testes de inteligência emocional em seus processos seletivos.  

Responda as seguintes perguntas e, em seguida, pense como anda a sua inteligência emocional: 

  • Você costuma estar consciente de seus sentimentos? 

  • Você está consciente de suas limitações, bem como de suas forças? 

  • Consegue lidar bem com suas emoções negativas? 

  • Consegue se adaptar com facilidade a mudanças? 

  • Você mantém o foco em seus objetivos? 

O ideal é que as respostas sejam “sim” para todas essas perguntas.

A inteligência emocional não acontece de fora para dentro e sim de dentro para fora e também não está atrelada à experiência profissional. As competências de inteligência emocional podem ser aprendidas e aperfeiçoadas, tudo depende de sua escolha e disposição em desenvolvê-las, e o autoconhecimento irá ajudá-lo a refletir sobre o conjunto de forças e limites pessoais.  

E os melhores empregadores do mundo não são apenas os mais exigentes, mas também estão em busca dos melhores profissionais que também possuam a inteligência emocional bem desenvolvida. 

Para garantir sua empregabilidade no mercado de trabalho é preciso ter foco no desenvolvimento sólido e consciente de suas habilidades relacionais e aplicá-las em seu dia a dia. Comece já sua jornada de autoconhecimento!

 

13 Dezembro
Empregabilidade
Currículo incrível: a maior porta de entrada para o mercado de trabalho
Por Taísa Silveira

Com tantas pessoas disputando vagas no mercado de trabalho, é importante que os profissionais em busca de oportunidades saibam valorizar suas qualificações para se destacar dos concorrentes.
 
É fundamental que o currículo do candidato demonstre seus diferenciais de forma clara e objetiva. Atualmente, as empresas estão abrindo mão dos processos seletivos tradicionais, e estão buscando candidatos em plataformas online de hospedagem de currículos. Sabendo disso quem procura emprego precisa saber como usar a tecnologia a seu favor.  
 
O Grupo Ser Educacional possui uma ferramenta inteligente de oferta de vagas chamada Portal de Carreiras, que filtra, entre todos os candidatos cadastrados, somente aqueles que estiverem de acordo com as características e qualificações necessárias para a vaga disponível. Esta tecnologia é ótima tanto para o candidato quanto para o recrutador, porque cada um dos lados descreve de forma simples e direta o que procura, e a plataforma conecta candidato e empregador, garantindo uma seleção rápida e eficaz.  
 
O Portal de Carreiras é uma ferramenta muito eficaz e que funciona como vitrine para os candidatos às vagas disponíveis no mercado. É fundamental que aqueles que estejam em busca de uma oportunidade saibam enfatizar em seu currículo seus pontos fortes para conseguir maior destaque entre os demais. 
 
Para ajudar quem está pleiteando uma vaga a montar um currículo que valorize suas potencialidades, elencamos cinco pontos que não podem faltar no currículo, e podem destacar o profissional entre os demais candidatos:  
 
Formação acadêmica. Evidencie cursos de especialização voltados para a sua área de atuação e domínio de outros idiomas. Esses são grandes diferenciais. Formação é a base de um bom currículo, especialmente para quem possui proficiência em outros idiomas. É importante que, mesmo não sendo fluente, o candidato indique se está fazendo um aprimoramento em língua estrangeira. Este já é um grande começo. 
 
Resultados obtidos e desenvolvimento de projetos. Destaque suas conquistas em empregos anteriores que valorizam e diferenciam o seu desempenho profissional. 
 
Conhecimentos de informática. Muitas profissões exigem conhecimentos técnicos e ter o domínio destas ferramentas digitais é de extrema relevância. 
 
Ressalte as empresas de renome as quais você já passou. Valorize suas experiências em empresas conhecidas pelo grande público. Ter passado por empresas solidificadas no mercado causam uma boa impressão e saltam aos olhos dos empregadores.  
 
Aponte viagens realizadas para o exterior. Viagens feitas para outros países, seja a trabalho ou para estudo, devem ser destacadas pois sempre trazem uma bagagem cultural e profissional diferenciada. 
 
Mas não basta saber o que valorizar na hora de construir o currículo, é preciso saber também o que não deve ser mencionado. Por isso vamos mostrar cinco pontos que devem ser evitados para não desfavorecer quem procura um novo emprego: 
 
Não valorize pontos fracos. Se o conhecimento em alguma área for básico, não o mencione. Isso pode fazer com que o entrevistador perca o interesse no restante do currículo. 
 
Seja objetivo. Não repita informações em todas as empresas no campo de descrição das atividades. Seja específico e claro na descrição das atividades que desempenhava. 
 
Não se mostre indisponível. Se não possui disponibilidade de horário e viagens, e a empresa ainda não solicitou estas informações, não destaque no currículo. Você pode parecer inflexível. 
 
Seja claro. Especifique a área/vaga que está se candidatando. 
 
Direcione o currículo. Quando estiver se candidatando para vagas específicas, evite dedicar muito espaço do currículo para experiências que não contribuam para a atividade daquela oportunidade. 
 
Seja cuidadoso com seu currículo, ele é a sua porta de entrada para o mercado de trabalho. 

13 Dezembro
Dica
Precisa fazer um resumo? Confira estas dicas de como fazê-lo!
Por Taísa Silveira

Quando o professor solicita a produção de um resumo, muitos podem temer a tarefa. Trabalhos acadêmicos são cheios de regras e metodologias que, a princípio, parecem assustadores. Mas, para eliminar de vez esse medo, separamos algumas dicas para ajudar os estudantes neste desafio. 
 
Existem dois tipos de resumo, o acadêmico e o científico. O primeiro nada mais é do que a síntese de uma obra, ou seja, um texto sobre outro texto. Deve ser escrito sempre em terceira pessoa, com todas as informações importantes como autor e nome do livro a ser resumido, por exemplo, sem a manifestação de opiniões pessoais de quem resume. Já o científico funciona como a propaganda de um trabalho feito pelo próprio estudante que o estiver escrevendo, como um artigo. Este deve apresentar a pesquisa de forma breve e atrativa, sem deixar de mencionar seu objetivo, bases teóricas, metodologia e conclusão.
 
Confira algumas dicas de como não errar na hora de fazer um resumo: 
 
Leitura: É importante conhecer bem o texto sobre qual se fala. "É preciso que se tenha a clara ideia do que se quer ser transmitido".
 
Caráter científico: Este trabalho não deve fugir da característica científica, portanto é imprescindível prezar pela correção gramatical.  
 
Formato: Um resumo deve conter as principais informações sobre uma obra com ideias e argumentos bem coordenados. "O uso dos conectivos é essencial para se estabelecer a real ideia a ser transmitida ao leitor. O texto deve ser contínuo, separado por parágrafos, sem tópicos".
 
Ordem: O resumo deve seguir a cronologia da obra referida. Também deve-se sempre retratar o autor com expressões como "de acordo com". Isso deixa claro de quem são as ideias relatadas. 
 
Não aparecer no texto: Comentários pessoais não têm espaço neste tipo de trabalho acadêmico. Também não deve constar num resumo transcrições da original. 

13 Dezembro
Dicas
Confira 7 coisas que você nunca deve fazer no seu currículo
Por Taísa Silveira

O currículo é a principal ferramenta de acesso a um emprego. Por isso, é preciso que todas as informações do documento estejam claras e objetivas, para que o recrutador se interesse e não tenha dúvidas durante a seleção. Entretanto, é muito comum encontrar currículos com problemas como erros de português, informações confusas e até mesmo qualificações não verdadeiras. Por esta razão conversamos com Diogo Galvão, responsável pelo Núcleo de Empregabilidade do Grupo Ser Educacional e um especialista no assunto, para nos dar algumas dicas de como preparar um currículo e não cometer alguns erros graves, porém muito comuns.
 
Para prevenir que você peque na elaboração do currículo, listamos oito dicas do que não fazer em um currículo. Confira:
 
1 - Não colocar foto
De uma maneira geral, não é recomendada a inserção de uma foto no currículo. Além da ideia de que a empresa não pode julgar o profissional pela aparência, existem as falhas que as pessoas cometem ao colocar fotos no documento. “Algumas colocam selfies, fotos de redes sociais, e não observam a roupa que estão usando no currículo ou o fundo do local onde estão na imagem”.
 
2 - Não inovar demais do design
O currículo é uma carta de apresentação do candidato à vaga para a empresa desejada. Ou seja, é necessário tomar cuidado com a forma que o interessado na vaga deseja se apresentar. Currículos ousados demais, com layouts que destoam muito tradicional podem ser considerados pontos negativos na hora da seleção. Lembre-se, o recrutador precisa fazer o “escaneamento” de suas informações principais em poucos segundos.
 
3 - Não se auto elogiar
Você não precisa se auto elogiar para conseguir algum emprego, basta colocar suas qualificações. “O candidato não deve se autopromover, então não tem problema em incluir definições como ‘dinâmico’ ou ‘proativo’, mas não é recomendado usar termos como ‘muito preparado para o trabalho’ ou ‘extremamente capacitado’. Esses tipos de qualificações o recrutador terá no momento da entrevista”, comenta Diogo Galvão.
 
4 - Não incluir hobbies 
Geralmente, o empregador não quer saber seus hobbies ou passatempos antes da entrevista. As empresas, normalmente, fazem perguntas sobre isso durante o processo de seleção. “O que pode prejudicar é caso um recrutador ache a informação totalmente desnecessária”, comenta Galvão. Isso é o que pode ocasionar na eliminação, logo é melhor optar pelo mais tradicional, caso você não tenha certeza que sua vaga almejada cabe esse tipo de inovação.
 
5 - Não colocar informações irrelevantes para o cargo nem campos desnecessários
Seção de “diplomas” reunindo todas suas certificações? Hobbies? CPF e RG? Nomes dos pais? Referências? Nada disso deve ser colocado no currículo. Lembre-se,mais uma vez, que o recrutador precisa ter, em poucos segundos, as informações principais sobre você enquanto profissional A perda de tempo que o empregador pode ter procurando tais informações pode ser motivo de desclassificação.
 
6 - Não colocar experiências profissionais em ordem cronológica invertida
Colocar que foi operador de caixa em uma determinada empresa em 2009, mesmo tendo a mesma função em uma outra companhia no ano de 2014 pode tornar seu currículo não atraente. O ideal é dispor as informações do mais recente para o mais antigo, e lembrando que sempre devem estar de concomitância com cargo pleiteado.
 
7 - Não usar muitas páginas para dispor as informações do seu currículo
Mais uma vez, o recrutador precisa ter todas as informações ao rápido alcance dos olhos. Portanto, não é recomendado colocar uma página por seção. Quanto mais resumido e focado o seu currículo estiver, mais fácil será de “emplacá-lo” para uma posterior entrevista.
 
E você, tem mais alguma dica indispensável pra mandar bem na hora de criar o currículo? Conta pra gente!

01 Dezembro
Recife
Colação de Grau em Gabinete – Joaquim Nabuco Recife
Por Taísa Silveira

O calendário de colação de grau em gabinete de 2016 foi divulgado e contemplou datas de setembro a dezembro. Neste mês, os dias disponibilizados foram o 13 e o 27, ambos numa terça-feira. 
Confira abaixo o calêndário completo. 
 

30 Novembro
Pernambuco
Nabuco Recife participa do V Network
Por Taísa Silveira

Professores do curso de Rede de Computadores discutiram as perspectivas do mercado de trabalho