JOAQUIM NABUCO | Ser Educacional
20 Novembro
ARTIGO
Tecnologia: A Revolução da Logística de entregas
Por Jesse Barbosa

Em um mercado extremamente carente, soluções como inteligência artificial e crowdshipping prometem mais agilidade e eficiência nos transportes de produtos

20 Novembro
ARTIGO
Situações Difíceis X Mudanças
Por Jesse Barbosa

 

Atualmente a situação do Brasil é extremamente difícil. Na busca por soluções para as suas dificuldades muitas pessoas têm tomado medidas drásticas. O nível de estresse coletivo é altíssimo e o desespero por parte de alguns é visível. Infelizmente o desespero não vem sozinho, traz consigo a desesperança que possivelmente nos deixa inertes diante da situação. A criatividade falha e a saída mais viável é seguir a maioria e seguir a maioria pode não ser tão proveitoso quanto parece.

Essa atitude nos dá apenas uma sensação de que não estamos sozinhos no mesmo barco e isso é realmente reconfortante, mas do que adianta caminhar com a maioria quando percebemos que estamos indo em direção a um grande iceberg? Ter a certeza de que não afundaremos sozinhos? Em situações difíceis precisamos buscar estratégias que nos levem para longe do problema e, para isso, é necessário aprender a pensar fora da caixa. O que seria essa caixa? Nossos conceitos, crenças, costumes, nossa zona de conforto, o lugar ou situação a qual nos tornamos reféns.

Qual o problema de pensar dentro da caixa? A dificuldade para ver além. Acostumamo-nos tanto com a situação que corremos o risco de perdermos a própria identidade. A nossa visão é limitada e alterada de acordo o que diariamente vivenciamos. De maneira imperceptível a minha idade afeta o meu modo de pensar, o meu histórico afeta o meu modo de pensar, os meus pais, o meu gênero, a minha comunidade, os meus amigos afetam o meu modo de pensar, negando quem somos e o que almejamos.

Concordo com Anthony Robbins quando diz: "Porque se não dirigirmos nossos pensamentos, cairemos sob a influência daqueles que nos condicionariam para nos comportarmos como desejam".

Muitas pessoas não têm certeza se querem verdadeiramente pensar fora da caixa, já que é algo que envolve grande risco. Mas precisamos ter consciência de que toda decisão envolve risco. Se sair da caixa é arriscado, ficar dentro dela não nos isenta dos riscos. 

Se optarmos pelo novo, por pensar fora da caixa, o primeiro passo é abrir a nossa visão para fazer uma análise acerca do nosso ambiente e o impacto que ele causa nas nossas vidas. Logo é necessário perguntarmos para nós mesmos: "Como me sinto nesta situação? Quais as minhas expectativas? Elas podem ser alcançadas?". As respostas destas perguntas podem nos dar um direcionamento, principalmente se chegarmos à conclusão de que estamos numa situação difícil. Situações difíceis são ideais para identificarmos a necessidade de mudança. Mas mudar, inovar, não é uma tarefa muito fácil. Existem inseguranças e investimentos são requeridos. Esta é uma atitude tomada por aqueles que compreendem que para estar sempre a frente é necessário ser mais competitivo, e para ser mais competitivo é preciso inovar.

Sair da nossa zona de conforto e tentar obter uma nova perspectiva acerca das ideias e ações que temos é algo complicado, principalmente quando já estamos acostumados com uma rotina fixa. Será necessário um trabalho de desconstrução, com o intuito de que uma nova ideia surja. Mas quando isso acontece ganhamos discernimento sobre a própria vida, e partimos à procura de oportunidades que estão alinhadas com aquilo em que acreditamos. Ganhamos dignidade e muitas chances de encontrar um trabalho com propósito.

Romper barreiras e quebrar paradigmas depende exclusivamente de nós mesmos, por isso é preciso ter cuidado para não sair de uma caixa e entrar em outra.

20 Novembro
CARREIRA
Você está seguindo sua Carreira ou sua vocação?
Por Jesse Barbosa

A missão de vida é o que dá sentido à nossa existência. Sem ela corremos o risco de seguir um caminho que não foi talhado para nós e nos sentir frustrados, mesmo que tenhamos uma carreira de êxito. Conheço vários casos de executivos bem-sucedidos em seu trabalho, que subiram todos os degraus que se propuseram a subir e de terem atingido as metas que fixaram para si e, mesmo assim, infelizes por não terem seguido suas verdadeiras vocações. Eles, de certa forma, subiram os degraus que queriam, mas a escada estava encostada na parede errada, porque confundiram carreira com vocação.

Carreira X Vocação

Carreira trata de sua ascensão profissional, enquanto que vocação é o seu "chamamento", aquilo que você gosta e tem facilidade de fazer, isto é, seu talento pessoal. Você pode ter uma boa carreira profissional, galgar postos importantes na organização, ter um ótimo salário, mas nem por isso, cumprir sua vocação, aquilo que mantém sua chama interior acesa. Isto poderá frustrá-lo bastante, mais tarde, em sua vida. O ideal é você seguir primeiramente sua vocação e, depois, fazer dela uma carreira profissional de sucesso expandindo os conhecimentos e competências através do uso dos seus talentos naturais. Somente seguindo sua missão de vida é que você irá pôr sua escada profissional e pessoal na parede certa. A vocação, atrelada à missão de vida, é o nosso papel a cumprir neste planeta; é o que nos inspira e motiva a fazer a diferença em cada dia que vivemos, nos completa e deixa felizes.

A propósito, uma pergunta - "Em que grau você tem utilizado seus talentos?". Talvez esteja correndo apenas atrás do dinheiro, argumentando para si mesmo que a sua vida é cheia de compromissos financeiros e necessita muito do dinheiro para quitá-los. A boa notícia é que perseverando e desenvolvendo paulatinamente seus talentos e habilidades, o sucesso será uma consequência natural e, com ele, virá também o dinheiro.

Conheço pessoas - acredito que você também -, que exercem profissões consideradas pouco proeminentes, nas quais conseguiram sobressair-se, tornando-se uma referência e ganhando grandes somas de dinheiro. Entre essas pessoas que conheço estão donas de salão de beleza, donos de lanchonetes e padarias, jardineiros, atuando com criatividade e qualidade de atendimento muito superior à média do mercado. O que faz delas um sucesso? Simples: elas estão seguindo seus talentos naturais, fazendo disso o foco de suas atenções e esforços, e além de trabalharem com competência e comprometimento, o realizam com extrema naturalidade e descontração, como se isso fosse a própria essência do seu propósito de vida.

Por outro lado, conheço também algumas pessoas, com enorme preparo profissional - mestrado, doutorado, pós-doutorado - que são um fracasso econômico, vivem endividadas e não conseguem deslanchar profissionalmente. A diferença não está na profissão, mas no profissional. 
Liderando a própria vida

Liderança pessoal é a habilidade de ajustar seu pensamento e definir uma direção precisa para sua vida. Requer seu comprometimento em mover-se naquela direção através de ações específicas - as metas - e assim concretizar seus mais importantes objetivos de vida pessoais e profissionais, isto é, sua missão.

Exercer liderança pessoal significa desenvolver uma autoimagem positiva que lhe dá a coragem e autoconfiança necessárias para seguir o caminho com perseverança e assumir responsabilidade pelos resultados. A essência mesma da liderança pessoal é você fazer o que é certo e produtivo para você, independente dos obstáculos e das opiniões dos outros. Isto quer dizer que sua vocação, missão de vida e visão, não são criadas pelas circunstâncias ou situações externas, mas representam sua resposta a elas, fundamentadas em suas aptidões, competências, crenças e valores.

Quatro fatores indispensáveis

A liderança pessoal resulta de quatro fatores indispensáveis: autoimagem positiva, sólida automotivação, crença inabalável de que suas expectativas serão realizadas e confiança em seu próprio potencial inexplorado. A maneira de podermos materializar todo esse potencial é realizado através da fixação de objetivos e metas por escrito, lance fundamental para que isso ocorra. Assim, fixar objetivos e metas funciona como um facho de luz potente e insubstituível para que você possa exercer sua vocação e definir sua missão de vida.

A liderança pessoal - assim como a vocação - é uma jornada, não um destino final. É uma caminhada que não tem ponto de chegada, pois é praticada e exercitada diariamente. Se não for assim podemos perder o foco de nossa existência, cujo principal objetivo é nosso progresso e crescimento contínuo.

A pergunta chave que todos devemos fazer quando se trata de missão de vida é: "A minha missão de vida fará alguma diferença para o mundo, ou lutarei somente para sobreviver ou, ainda, para atender apenas meus próprios interesses?".

A pergunta definitiva

É bom lembrar que quando falecermos nosso papel será extinto, deixará de existir para sempre, e ninguém mais poderá interpretá-lo, pois é insubstituível, talhado exclusivamente para nós. E se não tivermos um propósito, corremos o risco de ficar perambulando, sem sentido, o resto da nossa curta vida por aqui. A pergunta definitiva que você tem que responder é: "Vou assumir minha missão de vida ou vou deixá-la passar em branco?" .

Texto extraído e condensado do livro "O Poder da Liderança", de Ernesto Artur Berg, Juruá Editora.

20 Novembro
CARREIRA
A perseverança e a fé em nós mesmos
Por Jesse Barbosa

Uma maneira de se conseguir fé é ter em mente um objetivo e perseverar nele. Perseverança é a determinação consistente, é a firmeza ou a constância num sentimento, numa resolução, num trabalho - apesar das dificuldades e dos incômodos advindos do esforço na resolução da situação.

Quando trabalhamos por algo e exaurimos nossas forças na empreitada, aparece a necessidade de recorrer a novas fontes de energia. Talvez busquemos um café para despertar, depois algo para distrair e logo, após voltar ao trabalho, buscando render mais. Mas quando a tarefa é difícil, chega uma hora em que ou conseguimos ter fé em nós mesmos e no que estamos fazendo ou, então, desistimos.

Fé (do latim fides, fidelidade) é a firme opinião de que algo é verdade, simplesmente pela absoluta confiança que depositamos na ideia. Eu posso ser um profissional capacitado e experiente, mas se eu não acreditar que eu posso, que realmente conseguirei realizar a tarefa ate o fim, estão estarei em apuros.

Naquele momento crucial no qual tudo o que poderia ter sido feito já foi feito, a fé tem o papel fundamental de conservar as nossas forças, de nos fazer perseverar. E, enquanto perseveramos, acontece automaticamente a realimentação da fé. É um ciclo, uma pista de corrida em que para correr, é suficiente ter disposição para começar.

Mas nos nossos dias atribulados, de altos e baixos, como encontrar a sintonia da fé, da perseverança, da consistência? O segredo está dentro de nós e se chama "força de vontade".

"A corrida é longa, e o ideal, legítimo, mas os homens são inconstantes e incertos. O herói é aquele imovelmente centrado. A principal diferença entre as pessoas parece ser a de que um homem é capaz de se sujeitar a obrigações das quais podemos depender - é obrigável; e outro não é. Como não tem a lei dentro de si, não há nada que o prenda." (Ralph Waldo Emerson, in Considerations by the Way) 

Correr até ficar sem forças pode soar demasiado teatral, mas quando fazemos isso descobrimos o nosso limite. É aí que a fé e perseverança atuam, pois ela liberta o espírito dessa linha que prende o corpo, e fornece força e energia para ir além.

A fé fortalece o trabalho, que gera insumo para mais fé, e daí mantêm-se a perseverança: a certeza na realização. E a vida anda, e vamos assim conseguindo chegar onde queremos.

"Se há pessoas que não estudam ou que, se estudam, não aproveitam, elas que não se desencorajem e não desistam; se há pessoas que não interrogam os homens instruídos para esclarecer as suas dúvidas ou o que ignoram, ou que, mesmo interrogando-os, não conseguem ficar mais instruídas, elas que não se desencorajem e não desistam; se há pessoas que não meditam ou que, mesmo que meditem, não conseguem adquirir um conhecimento claro do princípio do bem, elas que não se desencorajem e não desistam; se há pessoas que não distinguem o bem do mal ou que, mesmo que distingam, não têm uma percepção clara e nítida, elas que não se desencorajem e não desistam; se há pessoas que não praticam o bem ou que, mesmo que o pratiquem, não podem aplicar nisso todas as suas forças, elas que não se desencorajem e não desistam; o que outros fariam numa só vez, elas o farão em dez, o que outros fariam em cem vezes, elas o farão em mil, porque aquele que seguir verdadeiramente esta regra da perseverança, por mais ignorante que seja, tornar-se-á uma pessoa esclarecida, por mais fraco que seja, tornar-se-á necessariamente forte." (Confúcio, in 'A Sabedoria de Confúcio')

Lembrar-se de elevar o queixo na altura do queixo das outras pessoas, olhar nos olhos e falar a verdade - isso para não ser surpreendido. Despir-se das futilidades, buscar conhecer o que você é hoje e o que você quer ser amanhã, isso para ter sempre em mente e não se desviar do seu caminho. Traçar um objetivo e manter o espírito reto e perseverante. Viver com dignidade, amor e paz no coração. Tudo o que vier depois disso não poderá ser ruim.

20 Novembro
ARTIGO
Como você prefere escolher seu caminho?
Por Jesse Barbosa

Em julho passado, a Netflix lançou o documentário: "Eu não sou o seu guru!". Se você já é assinante, reserve um horário ainda essa semana para assistir. Se você ainda não é, assine ou vá assistir na casa de um parente ou amigo, mas veja.

O documentário mostra um pouco do que se passa no seminário "Encontro com o destino." de Tony Robbins. Considerado por muitos o maior coach do mundo, Robbins é um homem de presença impactante. Corpulento, com quase dois metros de altura e com um palavrão sempre à boca, esse é o Tony.

No entanto, percebe-se que por trás disso tudo, por trás da fama, do dinheiro, por trás de tudo, existe um homem amável que ajuda milhões de pessoas mundo a fora com os seus conhecimentos, experiência, sagacidade e amor...

Porém, apesar de tudo isso, apesar de todos os predicados, apesar dos milhares de fãs e seguidores, ele faz questão de deixar claro: "Eu não sou o dono da verdade! Meu caminho, não necessariamente é o certo ou o melhor! Eu não sou o seu guru!".

Há alguns meses atrás, fiz uma transmissão nas redes sociais falando exatamente sobre isto: "Eu não sou um guru!". Não que eu estivesse me comparando com Robbins, longe de mim, mas naquele momento eu já percebia a necessidade que as pessoas têm de ter um guru. A necessidade de ter alguém não somente em quem se espelhar e inspirar, mas que possa ser seguido. 

Pessoas não são bússolas! Cada um possui seu próprio caminho e deve trilhá-lo por si só! Se você ainda não descobriu o seu, continue procurando. Quando você encontrá-lo, sua vida começará a fazer real sentido e você verá que não é preciso de um guru para atingir seus objetivos.

Muita gente busca riqueza no mundo. Depois do amor - ou talvez até mesmo antes dele - a riqueza é o maior objeto de desejo que temos. Bilhões de pessoas mundo a fora buscam criar, ampliar e multiplicar sua riqueza. Nesse intuito, desperdiçam suas vidas em busca de alguém que lhes mostre o caminho.

"Uau! Esse tal de Tony Robbins é um cara muito, muito rico! Vou a um de seus seminários para aprender a enriquecer". É assim que a maioria das pessoas pensa. Elas não se dão conta que Tony chegou ao sucesso financeiro por um único motivo: descobriu sua missão e a segue com fervor.

E sabe de uma coisa? Quanto mais pessoas ele impacta, mais rico ele fica. Se você deseja construir riqueza, você não precisa de um guru para te mostrar o caminho. Você não precisa de Tony, do Kiyosaki, do Cerbasi, de mim ou de quem quer que seja. A única pessoa de quem verdadeiramente você precisa é de si mesmo.

Por inúmeras razões, nunca achamos que temos o suficiente para executar nosso plano e atingir nossos objetivos. Nunca temos dinheiro suficiente, conhecimento suficiente, experiência suficiente, tempo suficiente. Tudo isso é verdade, mas sabe de uma coisa? Ninguém tem! Você é só apenas mais um nessa situação!

Você pode continuar em busca de gurus ou pode decidir seguir o seu próprio caminho, a escolha é sua! O que vai escolher?

20 Novembro
CONSCIÊNCIA NEGRA
20 de Novembro: Dia Nacional da Consciência Negra
Por Hugo Sérgio

O dia da Consciência Negra é celebrado em 20 de novembro e representa a luta dos negros contra a discriminação racial.   A celebração relembra a importância de refletir sobre a posição dos negros na sociedade. Afinal, as gerações que sucederam a época de escravidão sofreram diversos níveis de preconceito.

A data foi estabelecida pelo projeto Lei n.º 10.639, no dia 9 de janeiro de 2003. No entanto, somente em 2011 a lei foi sancionada (Lei 12.519/2011) pela presidente Dilma Rousseff.

História do Dia da Consciência Negra

As diversas nações africanas não se reconheciam como negros, e sim como Bantos, Haúças, Niams, Fulas, Kanembus, etc.  Os primeiros africanos trazidos para o Brasil como escravos chegaram aqui em 1532. A abolição do tráfico negreiro deu-se em 1850, pela Lei Eusébio de Queiroz. Após a abolição formal da escravidão no dia 13 de maio de 1888, a busca da "liberdade" e da igualdade por direitos dos negros jamais cessou. O sentimento de discriminação sentido por todos os lados tornou o negro excluído da sociedade, da educação e assim, marginalizado no mercado de trabalho.

Essa exclusão foi aos poucos se diluindo. O negro encontrava lugar nos esportes e artes, mas não tinha acesso à universidade, por exemplo. Deste modo, a população negra optou por uma celebração simbólica dessa luta constante para sua libertação.

A criação de um dia comemorativo da Consciência Negra é uma forma de lembrar a importância de valorizar um povo que contribuiu para o desenvolvimento da cultura brasileira.

Neste dia 20 de Novembro, pedimos Paz e Respeito, pois o sangue negro corre nas veias de todo o povo brasileiro.

#20deNovembro  #Respeito #ConsciênciaNegra

#CursodeCiênciasContábeis 

20 Novembro
CONSCIÊNCIA NEGRA
20 de Novembro: Dia Nacional da Consciência Negra
Por Manoel Filho

20 de Novembro: Dia Nacional da Consciência Negra

O dia da Consciência Negra é celebrado em 20 de novembro e representa a luta dos negros contra a discriminação racial.

A celebração relembra a importância de refletir sobre a posição dos negros na sociedade. Afinal, as gerações que sucederam a época de escravidão sofreram diversos níveis de preconceito.

A data foi estabelecida pelo projeto Lei n.º 10.639, no dia 9 de janeiro de 2003. No entanto, somente em 2011 a lei foi sancionada (Lei 12.519/2011) pela presidente Dilma Rousseff.

História do Dia da Consciência Negra

As diversas nações africanas não se reconheciam como negros, e sim como Bantos, Haúças, Niams, Fulas, Kanembus, etc.

Os primeiros africanos trazidos para o Brasil como escravos chegaram aqui em 1532. A abolição do tráfico negreiro deu-se em 1850, pela Lei Eusébio de Queiroz. Após a abolição formal da escravidão no dia 13 de maio de 1888, a busca da "liberdade" e da igualdade por direitos dos negros jamais cessou.

O sentimento de discriminação sentido por todos os lados tornou o negro excluído da sociedade, da educação e assim, marginalizado no mercado de trabalho.

Essa exclusão foi aos poucos se diluindo. O negro encontrava lugar nos esportes e artes, mas não tinha acesso à universidade, por exemplo. Deste modo, a população negra optou por uma celebração simbólica dessa luta constante para sua libertação.

A criação de um dia comemorativo da Consciência Negra é uma forma de lembrar a importância de valorizar um povo que contribuiu para o desenvolvimento da cultura brasileira.

#20deNovembro  

20 Novembro
CONSCIÊNCIA NEGRA
20 de Novembro: Dia Nacional da Consciência Negra
Por Rita Silva

Em 2003 foi instituído o Dia Nacional da Consciência Negra – 20 de Novembro.

Além de ser a data histórica da morte de Zumbi dos Palmares, líder do Quilombo dos Palmares, este dia é marcado pelas lutas vencidas do Movimento Negro Unificado, para o reconhecimento, valorização e respeito a cultura ancestral negra do Brasil.

Dia de empoderamento da população negra, de valorização da beleza, de reconhecimento de personalidades como Dandara, Ganga Zumba, como também dos trabalhos de tantos negros trazidos para o Brasil, afim de contribuir com os conhecimentos nas áreas de engenharia, agricultura, mineração, entre tantas outras que são escondidas pela visão eurocêntrica da nossa história.

Precisamos tornar o Brasil um país de todos, pois a discriminação e racismo são exemplos práticos, vivenciados pelo povo negro.

A Lei Áurea ainda traz os seus impactos para esse povo!

São muitos Zumbis e Dandaras dos Palmares espalhados pelo Brasil, suas lutas diárias devem ser extintas e suas conquistas devem ser exaltadas.

Neste dia 20 de Novembro pedimos Paz e Respeito, pois o sangue negro corre nas veias de todo o povo brasileiro.

#VivaZumbi

#VivaDandara

#20deNovembro

#DOL

20 Novembro
EVENTO
Aluna é selecionada para concurso Beleza Negra
Por Luiz Malafaia

No Dia da Consciência Negra, nossa homenagem vem através da nossa aluna Nathália Santos da Silva, do 8º período de Administração.

Nathália foi pré-selecionada no concurso Beleza Negra promovido pela UNINABUCO. Desde já conta com toda a nossa torcida!! 

17 Novembro
ENADE
Confira gabarito do Simulado ENADE
Por Maria Amélia

Segue gabarito oficial das provas ENADE, realizadas pelos alunos de Direito da UNINABUCO RECIFE.

1-      A   
2-      C 
3-      A 
4-      B 
5-      D 
6-      E 
7-      B 
8-      C 
9-      Dissertativa 
10-   Dissertativa 
11-   C 
12-   A 
13-   B 
14-   D 
15-   E 
16-   C 
17-   E 
18-   C 
19-   D 
20-   E 
21-   A 
22-   A 
23-   C 
24-   C 
25-   B 
26-   B 
27-   E 
28-   B 
29-   A 
30-   E 
31-   D 
32-   D 
33-   B 
34-   A 
35-   D 
36-   C 
37-   B 
38-   Dissertativa 
39-   Dissertativa 
40-   Dissertativa