JOAQUIM NABUCO | Ser Educacional
17 Outubro
TECNOLOGIA
Drones são a nova tecnologia para vencer roubos de carga
Por Jesse Barbosa

                            

Criados para fins militares, os drones — veículos aéreos não-tripulados (Vants) — aos poucos vão sendo usados no transporte rodoviário de cargas e em seguradoras, que pretendem utilizá-los para combater o roubo de carga e auxiliar no resgate em acidentes em estradas.

“Os drones são amplamente utilizados na construção civil e começam a ser uma ferramenta extremamente eficiente no transporte rodoviário de cargas e que talvez represente um marco para os próximos anos. O equipamento pode monitorar e filmar toda a ação criminosa, possibilitando que a empresa acione suas equipes de segurança e a polícia. Acreditamos que muito em breve nossas transportadoras paranaenses e empresas de segurança vão começar a utilizar a tecnologia amplamente”, diz Marcos Battistella, presidente do Setcepar. 

A novidade é mais do que bem-vinda. De acordo com dados da Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan), os roubos de carga custaram, entre 2011 e 2016, cerca de R$ 6,1 bilhões à economia brasileira. Um caminhão é roubado a cada 23 minutos em todo o território nacional. São perdas que equivalem a R$ 3,9 milhões por dia.

Até o início de maio, quando a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) regulamentou do equipamento, foram autorizados cerca de 400 voos de drones no Brasil, todos ainda em fase experimental. Mais de 8 mil equipamentos foram cadastrados no site da agência. O cadastro passou a ser obrigatório para drones com peso acima de 250 gramas. A instituição das regras também contribuirá para promover o desenvolvimento sustentável e seguro para o setor.

Experiência
A concessionária Arteris, que administra rodovias do PR, SC, SP, MG e RJ usa drones há um ano para inspecionar obras. Um dos equipamentos auxilia no monitoramento das frentes de trabalho do Contorno de Florianópolis, extensão de 50 quilômetros da BR-101 que liga Garuva a Palhoça, na região metropolitana da capital catarinense. Em outra concessão, no trecho da BR-116, que vai de Curitiba a Capão Alto, na divisa com o Rio Grande do Sul, o drone está sendo usado também para fiscalizar acessos irregulares à rodovia e monitorar pontos críticos de acidentes.

A fabricante de drones Horus Aeronaves, de Santa Catarina, percebeu o efeito direto sobre suas encomendas após a publicação das regras: houve aumento de 15% nos pedidos e de 25% nas solicitações de orçamento, segundo seu presidente, Fabrício Hertz. A empresa fabrica drones de 1,2 quilo a 3 quilos. Os equipamentos são feitos à base de fibra de carbono, numa produção praticamente artesanal.

Fonte

 

 

 

17 Outubro
TECNOLOGIA
Tecnologia com mobilidade promete mudar segmento da área de Logística
Por Jesse Barbosa

 

Um dos maiores desafios das transportadoras é a redução de custos nas suas operações. Sabe-se que as empresas do setor trabalham com margens muito apertadas e que a crise econômica complicou ainda mais este cenário. O ano passado foi bastante turbulento para o segmento. A sondagem “Expectativas Econômicas do Transportador 2016”, realizada pela CNT (Confederação Nacional do Transporte), mostra que a maioria das empresas, cerca de 60,1%, teve diminuição de receita bruta e que 58,8% precisaram reduzir o número total de viagens, sendo que, para a maioria, 74,6%, houve aumento do custo operacional.

Segundo o estudo “Custos Logísticos do Brasil”, do Ilos (Instituto de Logística e Supply Chain), este aumento de custos operacionais para o transporte rodoviário de cargas é resultado de um desequilíbrio de uma demanda relativamente baixa durante o período, perante a oferta de empresas, que não repassaram o aumento de custos aos seus clientes. Neste cenário, as empresas precisaram aumentar o volume de viagens, mesmo que ganhando menos, momento em que a sobrevivência do negócio passou a depender diretamente da sua capacidade de ter produtividade.
É aqui que a automação e a mobilidade reafirmam a sua capacidade de transformar a operação logística, com ganhos significativos, que podem chegar a 50% de aumento de produtividade, com equipes menores, e 90% de redução das falhas operacionais, como troca ou falta de volumes em encomendas. A TOTVS acredita que a tecnologia é um importante passo para a retomada do segmento e que, somente por meio dela, será viável uma série de melhorias capazes de mudar o cenário vivido atualmente pelas empresas do setor. Para isso, a companhia disponibiliza ofertas para importantes processos na operação das transportadoras e operadoras logísticas, como as citadas abaixo:

– Automação dos terminais de cargas: base de toda a operação da transportadora, o terminal de cargas é local onde ocorrem os recebimentos das mercadorias para a entrega final. Automatizar este processo consiste em receber e embarcar os volumes com mobilidade, por meio de coletores de dados. Toda mercadoria é etiquetada com um código de barras e já no recebimento é bipada com o coletor.

Quando o caminhão é abastecido, ocorre o mesmo processo, gerando uma conferência dupla sobre o que entra e o que sai do armazém. A tecnologia é capaz de reduzir em 90% as falhas operacionais, como troca ou falta de mercadorias, problemas muito comuns, que geram perda de tempo, custo e retrabalho. A mobilidade, além de automatizar, torna o processo muito mais produtivo, com ganhos de até 50%.

– Cockpit Logístico: a solução possui um recurso de aplicativo para os motoristas durante as entregas. Em um smartphone ou tablet, que conta com componente de geolocalização, o motorista pode acompanhar toda a sua rota, assim, de forma visual, consegue saber o que já foi executado e o que ainda está para fazer com facilidade.
Além disso, usando o dispositivo móvel, o motorista pode tirar uma foto do comprovante de entrega e enviá-la, em tempo real, para o escritório, com a opção de fazer uma assinatura digital. Também é possível reportar as ocorrências durante a viagem, como problemas com o caminhão ou a ausência do destinatário para o recebimento.
Todo esse controle proporcionado pela mobilidade impacta diretamente na produtividade e nível de gestão da empresa, que, com atualização automática no seu ERP, obtém um tempo de resposta muito mais rápido e consegue tomar decisões no momento em que as situações estão acontecendo.

– RFID: o controle dos armazéns por radiofrequência já é uma realidade. O portal RFID para a entrada e saída das mercadorias nas operadoras logísticas proporciona uma rapidez e segurança incomparáveis, quando olhamos para o modelo tradicional. Outro ponto que chama muito a atenção é no processo de inventário, que pode sofrer redução no tempo em até 80%, elevando significativamente a produtividade da operação.
“Vemos que as grandes empresas já possuem um alto nível de automação, porém o cenário é muito diferente nas pequenas e médias. É justamente esse perfil de operação que mais precisa investir em tecnologias de mobilidade, pois, para eles, os ganhos de produtividade são percebidos rapidamente, além de necessários para a retomada econômica dos seus negócios. Todas as nossas soluções estão disponíveis no modelo Intera, isto é, na nuvem e por meio de uma assinatura. Assim, não há altos investimentos com licença de software ou com infraestrutura. A TOTVS está comprometida em tornar a transformação digital viável e acessível para todas as empresas”, comenta Angela Gheller Telles, diretora dos segmentos de Manufatura e Logística da TOTVS.

A expectativa do segmento de transporte rodoviário de cargas para 2017 é de uma retomada dos negócios, com crescimento da receita.

Fonte

 

11 Dezembro
CALENDÁRIO
Calendário de colação de grau presencial coletiva
Por Jesse Barbosa

Prezados

Boa Tarde

Aos concluintes de 2017.2 a data da Colação de Grau Presencial Coletiva na  unidade será no dia 30/01/2018 - RH e LOGÍSTICA.

Solicito a todos que caso tenham alguma pendência favor procurar o CRA para tratativa, a coordenação de curso coloca-se a disposição para ajudá-los.

Obs: horário a partir das 15:00hs.

 

Forte abraço.

20 Novembro
FEIRA
I Feira De Negócios Universitários acontece nesta quarta-feira (22)
Por Jesse Barbosa

Nesta quarta-feira (22), acontece a I Feira de Negócios Universitários, promovido pelos cursos CST´s em Logística e Gestão de Recursos Humanos. O evento acontece das 19h às 21h30.

Na ocasião, serão vendidos diversos produtos, além de uma gastronomia excelente preparada pelos próprios alunos, disponível aos visitantes.

 

20 Novembro
LOGÍSTICA
Conheça os três pilares da Logística
Por Jesse Barbosa

Operações com foco apenas no serviço ao cliente acabam atuando na "zona de conforto" dos estoques elevados e altas despesas operacionais. Por outro lado, organizações que priorizam somente baixas despesas acabam por oferecer um atendimento pobre, aquém das necessidades do negócio.

Em ambos os casos, erros fatais com consequências graves. Vivemos uma realidade que exige cada vez mais uma logística conectada, rápida, colaborativa e rastreável.

E para ter uma logística vencedora, líderes devem inspirar suas equipes a buscar diariamente o equilíbrio nos três pilares abaixo.

-Excelência no nível de serviço aos clientes;

-Otimização dos níveis de estoque;

-Redução contínua nas perdas e nos custos totais de distribuição.

-Alcançar sustentavelmente grandes resultados nestas três perspectivas é o que faz realmente a diferença. É um desafio enorme que deve nortear a Governança dos Processos na Supply Chain desde sua estratégia até a execução.

Você concorda? Ou vê pilares estratégicos diferentes na logística?

Texto Extraído

 

20 Novembro
LOGÍSTICA
Brasil X EUA: quais as principais tendências em Gestão de Frotas?
Por Jesse Barbosa

A adoção de tecnologia de ponta para gestão de frotas no Brasil não para de crescer, mas ainda estamos muito atrás dos EUA. Com apenas 8% do mercado utilizando sistemas de gestão de frota – contra os 40% de penetração nos EUA –, é fácil entender a origem do maior custo operacional aqui.

Por conta dessa crescente, a influência da tecnologia no setor logístico e com 2017 chegando ao fim, esse é o momento de refletirmos sobre o que esperar para os próximos anos, tendo em vista o amplo mercado que temos para explorar e, principalmente, nos atualizar e modernizar.

Se compararmos o cenário logístico brasileiro com o dos EUA veremos que o mercado "lá fora" é muito mais competitivo e, por isso, mais frotas usam sistemas de gestão. Pesquisas como a do portal de estatísticas alemão, Startisa, reafirmam esse cenário ao mostrar que o mercado norte-americano possui mais de 140 milhões de carros comerciais, sendo que 40% são rastreados e monitorados. Aqui no Brasil, temos uma frota de aproximadamente sete milhões de veículos e esse ganho de eficiência está começando agora.

A Cobli, startup especializada em gestão de frotas, telemetria e roteirização, aponta que os EUA são referência mundial no gerenciamento de frotas. Isso se deve, principalmente, pelo fato do país ter um índice de vendas de automóveis dez vezes maior que o Brasil. Com um mercado gigante e tecnologicamente mais avançado, a gestão de frotas em solo americano é encarada pelas empresas como uma área estratégica, zelando pela qualidade da informação. Lá, o gestor se preocupa com a produtividade, o que significa entender quais são os custos e como otimizá-los da melhor maneira possível.

Por outro lado, em território brasileiro o foco é mais em rastreamento do que na gestão em si. As empresas consideram tecnologias e soluções como custos e não investimentos, o que impacta consideravelmente no desenvolvimento do mercado. Por isso, vemos o grande consumo de dispositivos menos avançados e de baixo custo, gerando resultados pouco efetivos. Além disso, um grande desafio: a falta de um sistema adequado dificulta ainda mais o trabalho dos profissionais da área.

Diante desse cenário, podemos traçar algumas tendências para as quais o setor brasileiro deve se atentar, se quiser avançar a passos largos:

Política de gestão de frotas: Medir, encontrar as oportunidades e atuar. O gestor de frota precisa de informações precisas para focar seu trabalho e mirar nos maiores ganhos;

Profissionalização de equipe e área logística: desenvolvimento de cursos, certificações e competências. É primordial que os profissionais estejam alinhados com a aplicação de novas tecnologias e processos de gestão mais eficientes;

Avanços tecnológicos: As empresas que vencerão são aquelas que abraçarem tecnologias de ponta mais rápido e capturarem primeiro os ganhos dessas novas tecnologias. Inteligência Artificial, manutenção preditiva e roteirização dinâmica serão os diferenciais das empresas;

Mobilidade urbana mais inteligente: conscientização dos problemas de mobilidade e bem-estar social, dessa forma aumentará a preocupação com a redução da poluição, bem como do trânsito. Além disso, haverá muito mais incentivo em ações colaborativas, visando o bem-estar da sociedade como um todo.

Esses são alguns dos pontos que descrevem frotas que estão aproveitando bem os avanços e sendo mais produtivas, pois a partir do momento em que o gestor detecta possíveis falhas e controla os custos, ele tem subsídio para aumentar a produtividade da empresa e fazer com que o nível do serviço seja aperfeiçoado.

Ao verem os seus concorrentes saindo na frente, muitas empresas decidiram adotar novas tecnologias e por isso já estão capturando ganhos em processos que eram arcaicos e que permaneceram iguais por décadas. Os setores já estão começando a se movimentar e é muito gratificante ver o impacto que estamos gerando na competitividade do Brasil e suas empresas.

*Rodrigo Mourad é sócio fundador da Cobli, startup especializada em gestão de frotas, telemetria e roteirização.

Texto Extraído:

 

20 Novembro
ARTIGO
Os Drones Vão Ganhar Força Na Indústria
Por Jesse Barbosa

Com aprovação da ANAC para uso dos Drones para fins comerciais, monitorar equipamentos e ativos industriais pode se tornar uma tarefa simples com tecnologias certas

20 Novembro
ARTIGO
Tecnologia: A Revolução da Logística de entregas
Por Jesse Barbosa

Em um mercado extremamente carente, soluções como inteligência artificial e crowdshipping prometem mais agilidade e eficiência nos transportes de produtos

09 Outubro
PALESTRA
Palestra sobre crimes cibernéticos e violência virtual
Por Jesse Barbosa

No último dia  sábado (07) os cursos Tecnólogos (Gestão de Recuros Humanos e Logística) e bacharelado de Administração tiveram uma paletra muito importante com o Chefe de Comunicação da Polícia Federal (Giovanni Santoro) sobre crimes cibernéticos - violência virtual.

Temática muito pertinente para os dias atuais e de grande relevância para o aspecto acadêmico, isso proporcionou aos nossos alunos uma visão mais abrangente dos impactos da internet tanto no ambiente corporativo como na vida diária.

 

 

 

13 Setembro
CALENDÁRIO
Confira o calendário de avaliações do curso de Logística
Por Edson Brigido

Prezados alunos,

segue em anexo o calendário com das datas das avaliações 2017.2, para o curso de Logística. 

Não deixem de anotar as datas. 

Páginas